És um velho
como velho é o sol que se põe
tão velho que nem o tempo pode esquecer.

És solitário
como a rosa que não morreu com o inverno
debaixo da neve cristalina.

És forte como um selvagem
e bêbado como o mais bêbado da noite.

Pode ser fraco
como a luz que se vê ao longe
bem ao longo, na estrada das fraquezas.

És triste
como o eremita
quis ser triste.

És alegre
calma alegria
não se iluda com ele.

És traiçoeiro
fere, sangra
e pensa morrer

Porque és também um assassino
um suicida
o bem da vida
és o amor
que mata sem pensar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s